top of page
Buscar
  • Foto do escritorThiago Oliveira

Mulher: igualdade no mercado de trabalho!!!

Desigualdade entre homem e mulher no mercado de trabalho, o tema parece antigo e desatualizado, mas é real e mais próximo do que imaginamos. As mulheres ainda ganham menos que os homens mesmo quando estão na mesma área e ocupam os mesmos cargos que os profissionais do sexo masculino.


Com uma simples análise do mercado de trabalho é possível constatar que as mulheres possuem competências para assumir qualquer posto de trabalho. Profissionais estão sujeitos a erros e acertos independentemente de seu gênero sexual.

O grande problema é quando a diferenciação entre homem e mulher é parte da cultura de uma nação. E no Brasil, assim como em outros países, as crianças já crescem vivenciando realidades diferentes, onde o menino obrigatoriamente brinca de carrinho, futebol, ou demais atividades com maior interação social e as meninas brincam de boneca e casinha como se elas estivessem destinadas apenas a isso.


Cenário brasileiro e Mercado de Trabalho para as Mulheres


Um levantamento realizado pela Catho com 13.161 profissionais, mostrou que as mulheres têm desvantagens na maioria das áreas quando o assunto é salário, alcançando até 62,5% a menos que a remuneração dos homens. Nas áreas administrativas, comerciais e financeiras, as mulheres chegam a receber quase metade do que os homens ganham. As exceções aparecem nos segmentos de academia e esportes e comunicação social, em cujas áreas as mulheres levam ligeira vantagem.

Segundo Brigitte Bedin, Coordenadora Geral da Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade de Guarulhos (UnG),uma postura adequada para que as organizações diminuíssem a desigualdade social seria a de que “os profissionais fossem contratados pelo seu preparado e direcionados para a cultura da empresa, sendo assim, quem tivesse melhor capacitação e estivesse alinhado com as metas da empresa seria recrutado”.

Bedin também acredita que as mulheres devam focar cada vez mais em suas qualidades: “o fato de hoje os números não serem favoráveis não significa que as portas estão fechadas, os altos índices de mulheres no ensino superior é prova disso, além de que, as mulheres são privilegiadas: o saber comunicar-se, a sensibilidade, o saber ouvir, a própria intuição feminina como fator determinante na tomada de decisões, enfim, ferramentas fundamentais na liderança e para quem deseja crescer no mercado de trabalho”, afirma.

É preciso entender que embora o processo seja mais lento que o esperado aos poucos as mulheres ganham seu espaço no mercado de trabalho, a exemplo, temos diversas profissionais com posições estratégicas em suas organizações: Carla Grasso economista e primeira brasileira a ocupar cargo de diretoria do FMI, Ana Paula Padrão e Natália Leite jornalistas que incentivam a educação por meio de projetos sociais, Bel Pesce jovem empreendedora que está entre as duas mulheres na lista dos “10 líderes brasileiros mais admirados pelos jovens” entre outras.


O problema é mundial


Embora a nossa realidade seja mais discutida e conhecida, a problemática da desigualdade das mulheres no mercado de trabalho é  mundial. Nos Estados Unidos, por exemplo, durante a premiação do Oscar neste ano a atriz Patrícia Arquette, vencedora da categoria de Melhor Atriz Coadjuvante, levantou a temática durante o seu discurso e fez um apelo para que as mulheres se unissem mais e conquistassem a igualdade de direitos e equiparação salarial.

No último dia 28 de fevereiro, no encontro da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) o tema foi levantado por mulheres líderes de diversos países. As políticas de igualdade de gênero tiveram sua importância ressaltada neste encontro e as participantes concordaram que a criação de leis que asseguram a participação plena e igualitária das mulheres na tomada de decisão seria a ideal para diminuir a desigualdade na esfera política, além disso, estas ações devem se espalhar por toda as áreas sociais.


Como educar a sociedade para a igualdade de gêneros?


Profa. Ms. Ana Claudia Fernandes Gomes, mestre em Sociologia da Cultura, conversou com o Portal Carreira & Sucesso sobre como educar a sociedade para a igualdade e lidar com o preconceito e a discriminação. Confira as impressões da especialista.

A igualdade de gênero ou a diminuição da desigualdade entre homens e mulheres é uma das “Metas do Milênio”, pautadas pela ONU durante o ano 2000, ou seja, até o ano 3000 teremos como objetivo o combate a preconceitos e discriminações entre os sexos relacionados ao acesso à saúde, à educação e ao mercado de trabalho.

Mais do que educar para a igualdade de gêneros, devemos incentivar a equidade social, que valoriza o respeito às diferenças e promove a garantia dos direitos a partir das especificidades. Por exemplo, o direito ao trabalho deve também garantir o direito da mulher à gestação, à maternidade e à amamentação de seus filhos sem desvalorização de seu acesso e permanência no mercado de trabalho.

Educar para a diversidade, reconhecer diferentes demandas e estabelecer parcerias entre instituições públicas, privadas e não-governamentais na promoção da garantia de direitos são elementos essenciais para a configuração de uma sociedade democrática construída por todos.


Por: Roni Silva


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Golpe empresas do simples nacional!

Um novo golpe está buscando os empresários do Simples Nacional, incluindo os Microempreendedores Individuais (MEIs), que têm dívidas tributárias pendentes com o Fisco. A nova fraude surge em meio ao p

Opmerkingen


bottom of page